Pular para o conteúdo principal

Arquivo


                   ATAQUE ÀS TORRES GÊMEAS

Texto de Lúcia Rocha, publicado em setembro de 2006, no jornal PÁGINA CERTA.





























        "Ataque às torres gêmeas de NY completará cinco anos". Avisa o UOL. E remete aquele dia. São Paulo amanhecera cinzento, garoando. Diferente.
        Combinara almoçar com um amigo. Teixeira era divulgador de gravadora e há tempos esse almoço havia sido adiado. Agora daria certo. E deu. Não como a gente gostaria. Como chovia, saí mais cedo. Na Avenida Tiradentes, trânsito lento. O rádio do carro ligado na CBN.   
        Informação dá a entender que um avião perdido no espaço aéreo de Nova York, batera numa das torres gêmeas. Trânsito parado, chuva fina, motoristas  entreolhavam-se. Indignados. Parecia que estavam ouvindo a mesma rádio. 
         Em meio àquela melancolia, eis que o noticiarista em seguida, diz que outro avião atingira a segunda torre gêmea.                 
         No meio daquela lentidão, céu cinza, uma notícia inacreditável. Motoristas agora atônitos. E o trânsito lento, lento.   
         Arrependera de estar no carro. Fazendo não sei o quê. Valeria a pena continuar? Seguir em frente? Teixeira aguardava e insistira tanto... 
         Entrando na Avenida 23 de Maio, o trânsito aos poucos foi melhorando. Repórteres narravam o fato, agora eles olhavam as imagens num aparelho de televisão. Descreviam cada detalhe.
          Mais um avião atinge o Pentágono. Tudo muuuuuuito estranho mesmo.
          Já no estacionamento, esquecendo por instante o que ouvira na rádio. Logo Teixeira veio à recepção da gravadora e nem tocamos no assunto. Chegando à sua sala, eis um aparelho de televisão enooooorme. Mostrando o que ouvira no rádio há minutos.           
         Chamamos Malu, secretária de Teixeira, para almoçar. A pé. Que papo mais bobo. Almoço chato. De bom mesmo, só a companhia deles. 
        Se pudesse deletaria aquele dia. Nos próximos onze de setembro   lembrarei que almocei com Teixeira e Malu.    
         À noite, numa rádio, um pastor tentava explicar. Disse que a Bíblia conta que havia um personagem bastante rico. Um dia ele acordou com uma idéia: estragar tudo para começar de novo. Pois a vida estava muito chata.
         Não sei quantos mil anos depois, um maluco resolveu fazer a mesma coisa. Que chato!   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL