Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2011

Elizabeth Negreiros

Imagem
Elizabeth admira o quadro com Rafael Negreiros Evento de doação da biblioteca de Rafael Negreiros No dia 28 de outubro de 2011, participei de um evento inusitado. A doação de uma biblioteca particular para uma escola. Dona Elizabeth Negreiros, viúva do empresário e escritor Rafael Negreiros, resolveu compartilhar o acervo de mais de mil livros deixados pelo amado esposo e o fez na escola onde ele e seus filhos estudaram, o Colégio Diocesano Santa Luzia, em Mossoró, uma instituição de ensino secular. Elizabeth Negreiros há muitos anos havia doado a primeira máquina de escrever do Diocesano, quem lembrou isso sob forte emoção foi a professora Raimunda Almeida. Durante o evento, dona Elizabeth fez um discurso emocionante, segue:  Reverendíssimo Bispo Diocesano Dom Mariano Manzana,       Reverendíssimo Padre Sátiro       Prezados alunos       Meus senhores e minhas senhoras Hoje poderia ser mais um dia comum na minha vida, restrita as minhas atividades diárias, mas fez o destino

Dercy e uma nação indignada

Imagem
           Texto de Lúcia Rocha, publicado no jornal PÁGINA CERTA, em 2007.                                                  “Em primeiro lugar, a minha vida no século passado era uma, e mudou completamente neste, está me assustando. Não havia essa prostituição da mulher, não havia prostituição dos homens. Está virando tudo viado, brinco na orelha. Isso tudo me afasta da vida. A educação é outra. A polícia é outra. A Justiça não existe, mãe mata filho, filho mata mãe. Isso tudo me desanima de viver...”  A frase é da atriz Dercy Gonçalves, que este ano fará cem anos de idade.                                                   C om certeza, alguém que nasceu há cem anos assusta-se com o que está acontecendo, com as manchetes de jornais, com as reportagens que estão pautando os telejornais, inclusive o Jornal Nacional , que mudou completamente o seu perfil, transformando-se no extinto Aqui Agora . E vem perdendo a audiência para pessoas sensíveis, depressivas, sem auto