Pular para o conteúdo principal

Dercy e uma nação indignada

          Texto de Lúcia Rocha, publicado no jornal PÁGINA CERTA, em 2007.                


                         
















      “Em primeiro lugar, a minha vida no século passado era uma, e mudou completamente neste, está me assustando. Não havia essa prostituição da mulher, não havia prostituição dos homens. Está virando tudo viado, brinco na orelha. Isso tudo me afasta da vida. A educação é outra. A polícia é outra. A Justiça não existe, mãe mata filho, filho mata mãe. Isso tudo me desanima de viver...”  A frase é da atriz Dercy Gonçalves, que este ano fará cem anos de idade.                                             
     Com certeza, alguém que nasceu há cem anos assusta-se com o que está acontecendo, com as manchetes de jornais, com as reportagens que estão pautando os telejornais, inclusive o Jornal Nacional, que mudou completamente o seu perfil, transformando-se no extinto Aqui Agora. E vem perdendo a audiência para pessoas sensíveis, depressivas, sem auto-estima, em resumo, as pessoas que se abatem com notícias ruins.
       Para falar a verdade, desde que foi publicado sobre a pílula da farinha, que aparece ‘escândalos’ em diversas áreas, sem precisar citar uma especificamente. Nós, leitores, telespectadores, ouvintes, internautas, eleitores, consumidores, clientes, enfim, estamos a cada novo fato, perdendo nossa capacidade de nos indignar.
       E isso é grave, porque perdemos também a fé nas pessoas, instituições, políticos, nas empresas ditas sérias, que cada vez procuram levar vantagens com seus consumidores. Sinceramente, a informação de que uma grande indústria farmacêutica, há alguns anos, fabricava pílulas de farinha, em vez de anticoncepcionais, driblando suas consumidoras que, de uma hora para outra, ficaram surpresas com uma gravidez não esperada ou indesejada, é de um absurdo indescritível.
       Políticos e jornalistas se vendem em mensalões e mensalinhos, juízes e ministros de tribunais de justiça vendem sentenças a bandidos e infratores, filho que mata pai e/ou mãe; pai que mata filho, estupra filha, enteada; político e polícia que mata e rouba; aluno que não mais obedece a disciplinas e regras na escola, filhos que largam pais em abrigos, comprometendo a família como um todo, enfim, fazendo-nos crer, que vivemos uma grande mentira, que estamos num mundo de disfarces, fingimentos e simulações.
       Afinal de contas, onde estão os códigos de ética e os valores morais que nos faziam acreditar que ser honesto ainda era o melhor caminho para atingirmos uma sociedade justa e ordeira?    
   
* A comediante Dercy Gonçalves faleceu em 2008.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL