Pular para o conteúdo principal

Por aí



MINHAS CORES DE ONTEM* 


Texto de Aluísio Barros, publicado no livro CONCURSO DE REDAÇÃO PADRE SÁTIRO CAVALCANTI DANTAS, organizado pelo Centro de Estudos Jurídicos Juxta Legem.   

























Sou de antigamente, meu Anjo. Sou de um tempo quando a educação se processava assim: em casa, na igreja, na escola e... na rua. 
Menino, fui como os demais...  A rua se mostrava o espaço ideal para as brincadeiras e traquinagens: brincávamos de bilinha (já grande é que vim descobrir que eram bolas de gude!), jogávamos castanhas, éramos donos de fazendas enormes cheinhas de bois, vacas, bezerros, cavalos... tudo ossos bem roídos da mesa de casa; colecionávamos e brincávamos de virar figurinhas, soltávamos papagaio (pipas!), andávamos a cidade inteira com a rolandeira feita de lata vazia de leite, ou com um pneu, ou com uma roda de ferro, ou com um caminhão de latas de óleo, ou com uma lambreta a deslizar barulhenta pela calçada da Igreja Matriz, que era, a lambreta, construída a partir de rolamentos que ganhávamos nas oficinas mecânicas.  
Os filmes de Zorro, capa e espada, eram fontes de inspiração para que transformássemos os restos de serragem da serraria de seu Altino ou as cascas do arroz da usina de beneficiamento, em montanhas perfeitas para as guerras de “morreu, não morri” e de luta de espada. Aliás, seu Altino Dias era o rei absoluto e dono de tudo que sempre almejávamos, pois além de ser o dono do Cine Odeoncom seus altos falantes que faziam ecoar pela imensidão solitária do Vale do Apodi o nome do filme do dia e algumas canções na voz inconfundível de Agnaldo Timóteo: “Se eu demoro mais aqui, /eu vou morrer. //Sei que é bom, /mas eu não vivo sem você” era dono também de uma boate, com a estonteante luz negra, que era uma promessa para quando deixássemos de usar calças curtas. Seu Altino era artista, conforme constava em sua certidão de casamento no Cartório de minha Tia Maria. E tal fato me deixava deveras fascinado.  
Na casa da minha avó Sebastiana – ela branca, branquinhacom seus olhos verdes/azuis de “Além mar e ele, o meu avô Raimundo do Vale, preto, pretinho, com seu porte das terras que o “Além mar” possuía além do Cabo das Tormentas, onde morava o gigante Adamastor – havia um quintal com um majestoso pé de cajarana e que era o maior e mais doce quintal do mundo, cenário perfeito para as imitações de Tarzan em cipós, em balanços..., onde iria adquirir as minhas primeiras cicatrizes!  
Muito tempo, pois sim, para brincadeiras, diria o menino pós-moderno, diante da tela de LCD de seu PC ou notebook ou de ouvidos totalmente tomados pelos sons dissonantes vindos de um ipod última geração, também já irritado pelas tantas tarefas e sentindo, ainda em botão, o seu tempo ser engolido pelo tempo. 
Na realidade, era o mesmo tempo que se tem hoje, se não houvesse tantas parafernálias eletrônicas paradoxalmente nos isolando do mundo lá fora, que era tão cheinho de lua e estrela e sol e lagoa e rio e ponte e ruas e mais ruas de areia grossa e capaz de entortar perna fina de moça rica. “Ai que estou ficando de pernas tortas, desta areia maldita!”, queixava-se. E a gente ria ria ria porque Irene ainda não havia encontrado motivos para chorar. Só reclames! Esse tempo, o das brincadeiras de rua e também dos banhos de lagoa e rio – motivo para muitas surras de cipó, caso algum fuxiquento avisasse ao meu pai (geralmente um menino que a mãe não havia deixado sair de casa naquela manhã ou tarde) –, não era um tempo ganho assim do nada, não. Era um tempo que sobrava pela agilidade na resolução dos deveres de casa: tarefa resolvida, tempo para viver a rua que ainda não era possuidora dos perigos de agora. “Pra que tanta pedra, meu Deus! pergunta o meu coração. E os meus olhos se compadecem do que vê. Crack.” Naquele tempo, quando eu era menino de calças curtas, os valores da família ganhavam facilmente dos valores da rua. Na praça, somente os valores de casa. Modos que deixavam minha mãe cheia de orgulho, pois as mães, antigamente, mais do que qualquer outra pessoa, eram as responsáveis pelos ensinamentos dos bons costumes. 
As tarefas? Ah, sim, as agradáveis tarefas! De caligrafia, de aritmética, questionário de conhecimentos gerais... Inicialmente, antes de frequentar os bancos escolares do Grupo Escolar “Ferreira Pinto” e ser aluno de dona Socorro, mãe de Edjalson (minha Madrinha querida!), dona Raimunda Lopes, dona Sula Guerra e dona Ester Noronha, era costume ser desasnado pelas Toinhas da Rua do Campo – a de Tião Lúcio e a de dona Rosinha – e dona Mundá, mãe de Raimunda Neide e Rogério. A gente mudava de professora conforme o nível, pois já estávamos nos “desarnando” para a escola do governo. E já nos preparatórios se estudava muito, pois assim ficávamos livres de algumas tarefas mais desagradáveis, como enfrentar a palmatória e a régua, nas aulas de argumento, que sempre aconteciam aos sábados, ou nos apoquentes das professoras, ou os trabalhos no cercado, com a enxada, ajudando o pai na limpa das carreiras de feijão e milho, ou as pesadas obrigações de casa, tipo ir buscar um galão ou roladeira d’água, que eram atividades destinadas para os que não costumavam mostrar interesse pelas tarefas da escola. Lembro das muitas linhas que escrevi para adquirir a caligrafia que me acompanha até hoje: “A lua é bela”, “Honra teu pai e tua mãe”, “O Brasil é a minha Pátria”, “Salve o 7 de setembro”. Toda a tabuada na ponta da língua! Contas, muitas contas para somar, dividir, multiplicar e subtrair, quanto mais números na divisão ou multiplicação, maior era o nosso prestigio... Números romanos ou cardinais de 1 a 1000 (Que maldade! Sorri saudoso o meu coração, enquanto uma alegria imensurável desmancha um possível coágulo). 
Domingo? Ah, os domingos eram realmente de festas dominicais. Meninos e meninas: missa, na igreja católica, ou escola dominical, na igreja dos crentes, que era como se dizia naquela época, conforme a religião de casa. E se estávamos em preparatórios para a primeira eucaristia, pode apostar que a tarde inteira seria no aprendizado das leis da igreja ou catecismo. Depois... ciranda, cirandinha vamos todos cirandar no patamar da Igreja, numa roda imensa, até que as luzes da cidade acendessem e o mundo se dividisse entre crianças que dormem e adultos que assumem as calçadas até que o dia fosse nosso outra vez. Nos dias de antigamente, quase não se viam crianças nas ruas, após o jantar. E ainda sem a televisão, as mães se transformavam em contadoras de estória de trancoso, até que as pestanas se fechassem de tão pesadas... “Era uma vez um rei e uma rainha...” 
Claro que agora os meus dias de antes me chegam filtrados e as dores, certas dores, foram, por enquanto, deixadas de lado. Mas o certo é que naqueles dias os valores da rua ainda não haviam superados os valores da família, da escola e da igreja.  
Naqueles dias, educar-se era promessa para um caminhar seguro pelos caminhos da vida. E creio, ainda, que é preciso continuar sendo assim.  


*Aluísio Barros de Oliveira é poeta e professor de literatura brasileira na UERN/Faculdade de Letras e Artes. 

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

SAUDADE DE MARILEIDE

O domingo, 27 de janeiro de 2013, amanheceu triste. Notícias vindas da região Sul do Brasil diziam que uma tragédia numa boate levara mais de duzentos jovens a óbito.         Na zona norte da capital paulista, passava pouco das 6 horas, quando Marileide Felix da Silva veio a óbito, aos 61 anos de idade, após idas e vindas ao Hospital São Camilo, próximo da sua cobertura, na Rua Voluntários da Pátria.        Encerrava a história de uma baiana vitoriosa, que fez sucesso como empresária artística e compositora, na voz de sua cria, Eliemary Silva da Silveira, a Mara Maravilha. Talvez Marileide tenha feito mais de cem músicas com repertório infantil.         No noticiário que cobre a indústria de entretenimento, registra-se o falecimento da mãe da Mara. Mas Marileide Felix tinha outros atributos além de ter colocado no mundo essa filha única. Foi quem primeiro viu na filha, ainda criança a tendência para artista, algo que ela tentara e que não teve o estímulo da família, especialmente do pai,…