Pular para o conteúdo principal

LETÍCIA

Letícia em Campos do Jordão. Foto: Lúcia Rocha
         
 O caminho da publicitária Bárbara Oliveira cruzou com o engenheiro português, Filipe Gonçalves, ao sair de um restaurante em sua cidade, Mossoró. O esbarrão resultou em casamento e gerou Letícia, hoje com quatro anos de idade. Letícia é potiguar de Natal. Aos dois anos, surpreendeu a mãe dizendo que queria ir na televisão, para o programa do Luciano Huck. A mãe então, procurou uma agência. E Letícia descolou. De lá, para cá, alguns testes e campanhas, inclusive no início, ela foi aprovada numa seleção rigorosa, onde todas as crianças já tinham experiência no ramo. Mas a mãe, que já dirigiu muitos comerciais para televisão, justifica que Letícia é boa de texto, grava de primeira e com brilho. Em 2013, Letícia já deu um grande salto na carreira, pois está na terceira campanha de televisão com exibição em nível nacional. A primeira, num vídeo da campanha de educação no trânsito, Paradinha, do Ministério das Cidades. Na Páscoa, Letícia estrelou campanha de um famoso chocolate. Agora, é a apresentadora mirim da Campanha de Multivacinação do Zé Gotinha, para o Ministério da Saúde. Bárbara e Filipe moram em São Paulo há mais de dois anos, com a filha única Letícia, que durante as gravações e sessões de fotos reveza seus dez pares de óculos com grau. Ah, Letícia também canta. Anitta que se cuide.

Vídeo da Campanha do Zé Gotinha


https://www.youtube.com/watch?v=djv-Fww_mhg&feature=youtube_gdata_player


Letícia posa para campanha publicitária de uma grife


Letícia nos bastidores da gravação da campanha do Zé Gotinha


Letícia com Danny Pink, na Rede Vida de Televisão. Foto: Bárbara Oliveira


Letícia faz pôse para a mãe.

A mãe de Letícia, Bárbara Oliveira. Foto: Lúcia Rocha


Letícia com o pai, Filipe Gonçalves. Foto: Lúcia Rocha


Com Letícia em Campos do Jordão. Foto: Bárbara Oliveira





Comentários

  1. Maria José Aguiar24 de agosto de 2013 09:58

    Minha princesa determinada e espontânea. Uma estrela nata, te amo Leticia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL