Pular para o conteúdo principal

Luciano do Valle


                                    Luciano do Valle: Adoro uma bike



























Por Lúcia Rocha
Foto: João Santos
Revista O Bicicleteiro, em 1995. 


Quando o assunto é esporte, na televisão, é impossível não associar a figura do locutor Luciano do Valle a essa magnífica paixão. Um homem que sempre viveu as emoções dessa maravilhosa arte, faz questão de transmitir aos seus inúmeros telespectadores de forma especial a todo momento.

Luciano do Valle começou a trabalhar como locutor de rádio, aos dezesseis anos de idade, na cidade de Campinas no interior de São Paulo. Três anos mais tarde, estreou na Rádio Record, na capital, começando assim, definitivamente sua trajetória de sucesso, inclusive se tornando um dos maiores e melhores narradores esportivos do Brasil.

Quando o assunto é bicicleta, recorda seus primeiros momentos de liberdade em cima de uma bike. Conta Luciano que, sempre quis estar à frente dos colegas da mesma idade: “Superei minha primeira etapa, não precisando aprender a andar com o auxílio das rodinhas laterais”, confessa.

Desde pequeno, uma das suas preocupações era a manutenção da bicicleta, pois ele mesmo lavava semanalmente a magrela, lubrificava a corrente e trocava os acessórios com uma chave única.

O que mais gostava é de passear sozinho, talvez para sentir a sensação de liberdade. O locutor confessa que naquela época a bicicleta era um produto de ostentação ou um veículo de condução para o trabalho.

Luciano usufruiu do seu veículo de duas rodas durante três anos, período em que a família sofreu um prejuízo financeiro e a bicicleta teve que ser vendida. Para Luciano, foi um momento difícil, para quem estava sonhando com as pedaladas, teve que se contentar em ficar longe da inseparável magrela: “Foi uma grande frustração. Ela era linda” e acrescenta: “Contudo precisei superar tudo”, recorda com tristeza.

O tempo passou, e nunca mais teve a preocupação em ter outra bike, pois logo em seguida começou a trabalhar. Aos quatorze anos, conta que aconteceram algumas coisas na sua vida, descartando a ideia de possuir outra bicicleta. “Passei a me preocupar com outros afazeres, principalmente com minha vida profissional”, conta Luciano.

O menino que, aos cinco anos de idade fazia das transmissões de futebol de botão, sua brincadeira preferida, certamente nunca se desfez do sonho de voltar a ter uma bicicleta. Hoje ele tem observado nas inúmeras viagens ao exterior, a evolução da bicicleta, como veículo de lazer, de competição e até de transportes, e vê nas ciclovias, a grande sacada ciclística para um futuro melhor.

Na TV Bandeirantes, onde está há onze anos, Luciano tem dado espaço a reportagens enfocando o ciclismo. Não esquece, porém, das pedaladas na sua Two Hard Special, quando está em sua casa, em Vinhedo, no interior de São Paulo.

O seu próximo objetivo profissional é de apresentar mais uma vez, o programa Verão Vivo, diretamente de Recife, durante o mês de janeiro. Ele promete pedalar durante os intervalos, para entrar em forma.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL