Pular para o conteúdo principal

Livro novo de Osair Vasconcelos

                          Osair Vasconcelos lança livro



                                
Osair Vasconcelos, o mestre estreia na ficção



O jornalista Osair Vasconcelos lançou o seu terceiro livro, As Pequenas Histórias.
Trata-se de sete contos passados numa cidade do interior, no século XX. Segundo o jornalista, as histórias trazem personagens comuns, desses que muitas vezes passam despercebidos pela maioria das pessoas, como se fossem invisíveis. Os contos vão mostra-los vivendo histórias incomuns, às vezes extraordinárias, que acontecem de forma inesperada.
Na capa, o autor mostra a sua primeira obra de ficção como a tentativa de narrar lembranças nebulosas e relatos nem sempre confiáveis de sete personagens em passagens cruciais de suas vidas, envolvendo sexo, amor e morte.

As estórias são como a de uma mulher tida como louca que encontra uma poeta morta e, numa madrugada, as duas repassam as suas vidas. Ou a de um mestre de pastoril levado por uma lufada de vento a sobrevoar a cidade à noite. Há também estórias de amor irrealizado. Outro conto leva o leitor ao interior de um dos filmes mais vistos da história. Tudo começa numa sala de exibição, passa pela película e tem o desfecho na plateia do cinema – e revela como nasceu a mais famosa frase de Hollywood.
A capa do livro, desenvolvida por Vítor Marinho, tem duas versões: amarela e azul.
     O livro é publicado pela Z Editora, de Natal.
     Osair Vasconcelos é um talento do jornalismo potiguar, tendo atuado em mídia impressa e eletrônica. Foi diretor de jornalismo da então, TV Cabugi, afiliada da Rede Globo, hoje InterTV Cabugi e participa há algum tempo, de campanhas políticas no estado de São Paulo e na capital potiguar. Dono de um excelente texto, Osair Vasconcelos nasceu em Macaíba, na Grande Natal, é graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
     Esse é o primeiro livro de ficção de Osair, que já participou de algumas coletâneas e publicou dois livros, com histórias e estórias que colecionou no seu currículo de um dos melhores profissionais e descobridor de talentos no jornalismo potiguar. Além de oportunizar novos profissionais, além de encaminhá-los no mercado de trabalho, sabe muito bem orientá-los através de lições que estes carregam para o resto de suas vidas.
      O livro está à venda nas livrarias da capital potiguar.
      Na Feira do Livro de Mossoró, de 4 a 8 de novembro, pode ser adquirido no stand da Livraria Nobel.  

    
                               
Genialidade na literatura


Comentários

  1. Lúcia Rocha. Só pelo seu comentário acredito que o livro seja muito bom. Tema atraente! Sucesso para Osair Vasconcelos.Naide Rosado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL