Pular para o conteúdo principal

Tarde de autógrafos com Ruth Rocha








ESCRITORA RUTH ROCHA REVIVE PARCERIA E LANÇA COLEÇÃO INFANTIL

 COISINHAS À TOA QUE DEIXAM A GENTE FELIZ, é tema de um grande evento literário que acontece no dia 18 de março, em São Paulo, com a presença de Ruth Rocha. Haverá oficinas de desenhos e fotos gratuitamente para as crianças e distribuição de autógrafos das escritoras, são algumas das atrações.


No dia 18 de março/2017 (sábado), a partir das 14h, a Livraria da Vila (Rua Fradique Coutinho, 915 – Vila Madalena/SP) será palco de um grande evento literário, com Ruth Rocha.
Depois da bem-sucedida parceria entre os autores Ruth Rocha e Otávio Roth, que resultou, entre outras publicações, nos livros: “Azul e Lindo: Planeta Terra Nossa Casa” e “Declaração Universal dos Direitos Humanos” (Coleção Constelação), a Editora Salamandra lança, agora, a Coleção “Coisinhas à toa que deixam a gente feliz”, em quatro volumes, dois de autoria de Otávio e dois inéditos de Ruth, em edição especial e limitada.
Em ocasião da festa de lançamento da Coleção, será realizada a montagem de uma ** Árvore (peça de arte colaborativa criada pelo autor e artista plástico Otávio Roth), que comporá o cenário lúdico e acolhedor para crianças e adultos. Estão previstas, ademais, diversas atrações gratuitas, como: oficinas de desenho e fotos para crianças, sessão de autógrafos com Ruth Rocha e bate-papos.
** A Árvore – A obra de arte colaborativa e itinerante, concebida pelo artista plástico Otávio Roth em 1990, para um evento na escola das Nações Unidas, sintetiza valores-base do trabalho do artista. O compromisso com a paz, a integração entre crianças de diferentes culturas, a crença na arte como elemento agregador e de sensibilização de adultos e crianças entorno de temas caros a sociedade, como a convivência pacífica, direitos humanos e sustentabilidade, são algumas das mensagens transmitidas por essa grande árvore, composta por folhas pintadas individualmente por mais de 60.000 crianças, de cerca de 70 países.
E, para participar desta obra de arte colaborativa, (Projeto “A Árvore”), que permanecerá na Livraria da Vila dos dias 11/03 a 20/03, acontece, gratuitamente, a partir das 14h do dia 18/03,  a Oficina “O que deixa a gente feliz”. Crianças serão convidadas a se inspirar nos versos e ilustrações dos livros para criar suas próprias representações de felicidade, desenhando em folhinhas que serão coladas na árvore. Cada folhinha ilustrada traz o nome, a idade e a cidade da criança.
Ainda como parte da programação no dia do Lançamento da Coleção “Coisinhas à toa que deixam a gente feliz”, outra atividade para as crianças será a Foto Divertida “O que deixa a gente feliz. Um painel montado com as capas dos livros servirá de fundo para que os rostos das crianças sejam fotografados. Enquanto aguardam a impressão, farão um porta-retrato em origami para levarem de lembrança do evento.
E, para finalizar a programação do dia 18, a partir das 16h, Ruth Rocha, Ana Roth e Isabel Roth (filha de Otávio Roth) fazem a abertura oficial do evento, seguida da sessão de autógrafos. A jornalista e amiga, Mona Dorf finaliza com uma homenagem.

Serviços:
Lançamento da “Coleção Coisinhas à toa que deixam a gente feliz ” – Ruth Rocha e Otavio Roth
Local: Livraria da Vila – Rua Fradique Coutinho, 915 – Vila Madalena/SP
Data: 18 de março/2017
Horário: a partir das 14h
Estacionamento com manobrista:
Até as 18h: R$ 6,00 (sendo cliente) - até 2h
Após 2h, + R$ 2,00 adicional
A partir das 18h: R$ 10,00  

Programação Completa:
A partir das 14h – Oficinas para as crianças “O que deixa a gente feliz”;
A partir das 16h – Lançamento da Coleção com a participação de Ruth Rocha, Ana Roth, Isabel Roth e Mona Dorf. Sessão de autógrafos com Ruth Rocha.

Sobre a Coleção “Coisinhas à toa que deixam a gente feliz”:
Em 1993, o autor Otavio Roth teve a ideia de escrever uma série infantil que falava de pequenas coisas que podiam deixar a vida mais feliz. Coisas como acordar com cafuné, começar caderno novo, comer pão quentinho de manhã, ter um vaga-lume aceso na mão etc.
Criou então dois livros delicados, com versos singelos e bem-humorados, chamados “Duas dúzias de coisinhas à toa que deixam a gente feliz” e “Outras duas dúzias de coisinhas à toa que deixam a gente feliz”.
Na época, a escritora Ruth Rocha, que já havia publicado alguns livros em parceria com Roth – entre eles, Azul e lindo: Planeta Terra, nossa casa e Declaração Universal dos Direitos Humanos --, assinou os textos para a contracapa dessa nova coleção.
Agora, a Salamandra está relançando a coleção “Coisinhas à toa que deixam a gente feliz” com mais dois volumes de autoria da própria Ruth Rocha, que quis assim prestar uma homenagem ao seu antigo parceiro de histórias: “Mais duas dúzias de coisinhas à toa que deixam a gente feliz” e “Novas duas dúzias de coisinhas à toa que deixam a gente feliz”.
Compostos por 24 versos e ilustrados com delicadeza por Mariana Massarani, os livros revelam e valorizam os pequenos prazeres cotidianos, como cheirar mato molhado, estourar plástico bolha e vestir pijama de flanela. Quem escreve a contracapa dos novos volumes é o escritor e poeta paulista Fabrício Corsaletti. “O que há em comum entre começar um caderno novo, fazer guerra de almofada, deitar num travesseiro macio, estourar plástico bolha e comer espaguete al dente? Isso mesmo: são coisinhas à toa que deixam a gente feliz. Nos quatro livros que compõem a coleção Coisinhas à Toa — dois deles publicados por Otavio Roth em 1993 e os outros dois escritos posteriormente, “à moda de Otavio Roth”, pela Ruth Rocha —, os autores listaram algumas dúzias desses pequenos prazeres do dia a dia, nos quais, pensando bem, a gente nem repara direito, mas que, pensando melhor, representam boa parte da nossa alegria cotidiana. Ilustrada pelos desenhos vibrantes e multicoloridos de Mariana Massarani, esta coleção de frases-achados forma um verdadeiro baú de banalidades mágicas, dessas que só os poetas sabem reconhecer e, para nossa sorte, nos revelar.”Fabrício Corsaletti



Ruth Rocha

Sobre Ruth Rocha:
Ruth Rocha é uma das escritoras mais amadas pelas crianças no Brasil. Com livros que falam de ética, que criticam o poder autoritário e tratam a criança com respeito, sua obra é apreciada, também pelos professores e pelos pais, há três gerações.
Iniciou sua carreira como orientadora educacional, onde vivenciou as dificuldades das crianças em seu ambiente cotidiano. Sua primeira história foi Romeu e Julieta publicada na revista Recreio, mas é Marcelo, Marmelo, Martelo seu texto mais conhecido. É considerado um marco da literatura infantojuvenil no Brasil e também ganhou traduções em diversas línguas.
Em 1989, Uma História de Rabos Presos foi lançado no Congresso Nacional e em 1990, sua Declaração Universal dos Direitos Humanos e Direitos das Crianças Segundo Ruth Rocha foram acolhidas na sede das Organizações das Nações Unidas.
Recebeu, em 1998, das mãos do então presidente Fernando Henrique Cardoso, a Comenda da Ordem do Ministério da Cultura. Tem vários livros premiados e ganhou seis prêmios Jabuti, o maior prêmio da literatura do país. Foi escolhida para fazer parte do Pen Club-Associação Mundial dos escritores e é membro da Academia Paulista de Letras.
Irreverente, popular e ética, já vendeu mais de 40 milhões de livros dos quais 2 milhões em outros países. Como jornalista, assinou o editorial de Educação da Revista Cláudia e foi editora e orientadora pedagógica da Revista Recreio.
Sua obra é uma das mais lidas no país pelas crianças e tem participação expressiva nos programas de incentivo à leitura promovidos pelo Ministério da Educação. Só em 2012, 109 títulos de sua autoria foram adotados por escolas públicas de todo o país.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

SAUDADE DE MARILEIDE

O domingo, 27 de janeiro de 2013, amanheceu triste. Notícias vindas da região Sul do Brasil diziam que uma tragédia numa boate levara mais de duzentos jovens a óbito.         Na zona norte da capital paulista, passava pouco das 6 horas, quando Marileide Felix da Silva veio a óbito, aos 61 anos de idade, após idas e vindas ao Hospital São Camilo, próximo da sua cobertura, na Rua Voluntários da Pátria.        Encerrava a história de uma baiana vitoriosa, que fez sucesso como empresária artística e compositora, na voz de sua cria, Eliemary Silva da Silveira, a Mara Maravilha. Talvez Marileide tenha feito mais de cem músicas com repertório infantil.         No noticiário que cobre a indústria de entretenimento, registra-se o falecimento da mãe da Mara. Mas Marileide Felix tinha outros atributos além de ter colocado no mundo essa filha única. Foi quem primeiro viu na filha, ainda criança a tendência para artista, algo que ela tentara e que não teve o estímulo da família, especialmente do pai,…