Pular para o conteúdo principal

Lauro da Escóssia Filho

O menino que lia jornal

                                 
Lauro da Escóssia Filho

Por Fernanda da Escóssia
Jornalista, filha

O menino aprendeu a ler aos 4 anos. De pé em cima de um banco, lia o jornal, e o povo na rua parava para ouvir as notícias. O menino nascera e crescera dentro de um jornal, O Mossoroense, fundado em 1872 por seu bisavô, Jeremias da Rocha Nogueira. No Brasil, era o tempo de um jornalismo de causas, panfletário, e O Mossoroense teve as suas: era republicano, abolicionista e antijesuítico.
A lembrança do velho jornal de província invade minhas leituras enquanto leio, estudo, preparo aula e escrevo sobre jornalismo, mas também de modos mais insólitos. Ao estudar Ciências Sociais com meu filho, o livro cita a imprensa abolicionista do fim do século XIX. Pois seu tataravô fundou um jornal nessa época, filho. Abolicionista. Foi, mãe? Foi. Esse movimento abolicionista também ocorreu nas antigas províncias. Entendi. (Agora estou levemente preocupada. E se ele exagerar e botar na prova que o tataravô derrubou Dom Pedro II?)
Volto às leituras, às aulas, aos livros. No século XIX, ensinam alguns autores, o jornalismo passou por grandes mudanças, entre elas a mecanização, com a introdução das rotativas Marinoni. O Mossoroense também teve sua Marinoni, importada da França e responsável pela impressão de edições históricas, como a notícia da derrota do bando de Lampião, em 1927, e a entrevista concedida pelo cangaceiro Jararaca ao jovem repórter Lauro da Escóssia, que depois viraria Lauro Velho, meu avô.
A Marinoni foi aposentada quando Lauro da Escóssia Filho, o menino que lia jornal, modernizou O Mossoroense e introduziu as linotipos. Forçado a vender O Mossoroense, o menino jamais deixou de amar sua província e seu jornal. Quando entrei na faculdade de jornalismo, ele me presenteou com "História da Imprensa no Brasil", clássico de Nelson Werneck Sodré que herdara da biblioteca de Lauro Velho. Quando, nas aventuras de repórter, doidamente entrei na garagem do Palace 2 já desabado, ele me escreveu uma cartinha datilografada de um parágrafo: "Soube de suas aventuras no edifício Palace. Cuidado com os perigos que rondam esses gestos de bravura".
Em 31 de dezembro de 2015, O Mossoroense, aos 143 anos e então o terceiro jornal mais antigo do Brasil ainda em circulação, despediu-se da versão impressa, mantendo apenas o formato digital. O menino que lia jornal deu um risinho e voltou a lembrar as noites em claro, a Marinoni e a linotipo. Hoje de novo falamos de como a história passou pelo jornal de província, e por isso deixo aqui sua foto na velha Marinoni. Obrigada, pai, por suas histórias, suas lembranças e seu amor de poucas palavras, mas infinito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL