Pular para o conteúdo principal

30 ANOS DE COMUNICAÇÃO




                                                                           
Em pé: Leilton, Ilná, Ana, Alcinda, Miriam, Gisélia, Lúcia e João. Agachadas: Jacqueline e Micarla


Há exatamente trinta anos, um grupo de vinte alunos ingressou no curso de Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, na UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Duas tinham apenas apenas 16 anos de idade, Mônica e Micarla.
     Quatro anos depois, na noite da formatura, em 5 de janeiro de 1991, os vinte alunos se despediam e, alguns deles, demorariam mais de vinte anos para reencontrarem-se, embora, a maioria mora na mesma cidade, Natal, a capital do estado.
Em 2011, a turma se reuniu pela primeira vez para comemorar os vinte anos de formatura. O reencontro se deu na casa de praia de uma das caçulas, Micarla, então prefeita da cidade.  Agora, o encontro se deu num restaurante e, dos vinte, apareceram nove: Alcinda Amorim, Ana Lúcia Bet, Gisélia Galvão, Jacqueline Salviano, João Maria D'arc, Leilton Lima, Lúcia Rocha, Micarla de Sousa, Míriam Síria; além de Ilná Rosado, que ingressou no curso sem vestibular, pois já era advogada. Dos dez que compareceram, hoje, menos da metade atua no ramo de comunicação: Gisélia, Leilton, Lúcia e Micarla.
Alcinda e João Maria não estiveram no primeiro encontro. Também faltaram ao primeiro encontro Gustavo, João Rosendo e Priscilla Wilmers, que moram em outros estados. Rosa Lúcia, embora moradora em Natal, faltou ao primeiro e agora também. Alcinda, que trabalha no TRE - Tribunal Regional Eleitoral - esteve com Micarla em sua posse como prefeita, mas, dezessete anos após a formatura, Micarla não lembrou de Alcinda, naquele momento tão importante, em que venceu a eleição municipal em 2008, com apenas trinta e oito anos de idade. De qualquer forma, não deixa de ser inusitado esse rápido reencontro das duas colegas de sala de aula. Alcinda veio e trouxe uma filha linda e no outro encontro, a turma levou mais filhos, alguns deles gerados durante o curso. Há seis anos, havia celular com fotos, mas agora a turma pôde registrar em selfie.
Vamos às fotos, de Ana Lúcia Bet e Giovana Amorim:
    





                                                               

Jacqueline e Míriam Síria

Gisélia e Alcinda

Jacqueline e Ana 

Leilton trouxe a gatinha
Lúcia e Micarla

João Maria
Micarla, Ana e Jacqueline sempre se encontram
A rainha dos docinhos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL