Pular para o conteúdo principal

O ÚLTIMO CORONEL?

            O auditor fiscal aposentado, Francisco Germano Filho - Chiquinho Germano - há exatos 50 anos que jamais perdera uma eleição no pequeno município de Rodolfo Fernandes, na região oeste do Rio Grande do Norte, sofreu a sua primeira derrota, nas eleições de 2012. Desde 1962 ele concorrera a onze eleições, vencendo em todas, porém, dessa vez concorreu a vice-prefeito, concorrendo com uma sobrinha que elegeu há quatro anos, perdendo para o candidato da sobrinha, por sinal, irmão do seu candidato a prefeito. 
           Seria Chiquinho Germano o último dos coronéis a ser banido da vida pública?  
           A seguir, entrevista que fiz com ele há nove anos, quando explica seu sucesso nas urnas, o pensamento, as estratégias e a convivência com alguns políticos. 

LUCIA ROCHA
Especial para GAZETA DO OESTE
Publicado em 1º de junho de 2003
                                      
                                                UM CORONEL DO BEM

Em época de auditorias fiscais, o prefeito de Rodolfo Fernandes está indignado com tanto desvio de verbas públicas.  

Chiquinho Germano: "Ninguém deixa a política. O povo bota para fora"


                O Rio Grande do Norte assiste a uma onda de devassa por parte do Governo Federal. Guamaré e Baraúna são cidades que hospedam auditores federais em suas sedes. O que diria sobre esse fato novo na política do Rio Grande do Norte o último dos coronéis, Chiquinho Germano?
                Prefeito da cidade de Rodolfo Fernandes, um homem benquisto até pelos adversários. Sendo ele uma pessoa honesta, que honra seus compromissos com o eleitorado, Chiquinho Germano apenas diz: “Não sei como é que os políticos desviam verbas. A fiscalização é rigorosíssima, a ponto de atrasar a entrega de documentação”, disse surpreso. “Muitas vezes estamos precisando da verba para não parar as obras sociais e passamos um tempão só cuidando de  documentos, pois tudo é muito difícil. Há um rigor danado e é assim que deve ser quando se trata de dinheiro público”, completa.            
               A indignação parte de um homem simples que atingiu na última eleição 92% de votação. Em 1996 não houve candidato da oposição para prefeito. Elegeu-se então o primeiro vereador da oposição em toda história da cidade.  
               Pode-se dizer que Chiquinho Germano não pratica o nepotismo, tão comum a políticos. A exceção foi feita em 1988, com o sobrinho, Silveira Neto, eleito prefeito naquele ano. Sua competência serviu de passaporte ocupar o cargo  de Secretário de Agricultura.   
              O menino que nasceu Francisco Germano da Silveira Filho, carinhosamente chamado de Chiquinho Germano, ou seu Chiquinho, é filho de Francisco Germano da Silveira e Jacinta Queiroz da Silveira. Nasceu em Luís Gomes, Alto Oeste, em 16 de abril de 1930. Há setenta e três anos, portanto.
                Aos nove meses foi para a companhia dos tios, o Juiz de Direito, dr. José Fernandes Vieira e Amélia de Queiroz, na cidade de Pau dos Ferros, tendo ali se alfabetizado.
____________________________________________________________________________

                        HERDOU DO PAI O GOSTO PELA POLÍTICA
____________________________________________________________________________

                Aos dez anos de idade o pai adotivo assumiu a Comarca de Mossoró,
tendo aqui concluído o curso ginasial, no Colégio Diocesano Santa Luzia. Ingressou na política estudantil, participando da fundação do Centro Estudantil Mossoroense. Organizou movimentos, campanhas estudantis e ingressou no mercado de trabalho. Iniciou o curso técnico em contabilidade, na Escola Técnica do Comércio União Caixeiral, não chegando a  concluir.  
                Seu primeiro emprego foi na Mossoró Comercial e Navegação, ao lado de pessoas de inteira confiança do então industrial, Dix-Sept Rosado.
                 Aos vinte anos de idade estreou no palanque, na campanha de Dix-sept Rosado para Governador do Estado. O gosto pela política herdara do pai, porém  um tio, Antonio Germano, foi senador e deputado estadual.
                 O destino reservava a política mais para frente. 
                 Luiz Gomes, Pau dos Ferros e Mossoró, foram cidades que o acolheram, mas seu Chiquinho não estava satisfeito. Queria ir mais longe. O próximo destino seria Natal, Rio de Janeiro. Depois Aracaju e Recife. Fixou residência em Natal, onde atuou no Ministério da Saúde.
                 Atendendo convite do Governador Dinarte Mariz, foi nomeado Fiscal de Rendas. Em 1961 se viu atingido por perseguições políticas. Resolveu pedir licença, sem remuneração e, de volta para o interior, assumiu a administração das fazendas da família, aos trinta anos de idade.
              Na Vila de São José, que havia sido desmembrada da cidade de Portalegre, Chiquinho com seu jeitinho manso, um homem polido, educado, foi acumulando amigos e correligionários. A vila se emancipou. Nascia a cidade de Rodolfo Fernandes. Era 1963 e agora precisava de um prefeito.                     
                Pronto! Chiquinho, um jovem benquisto, com habilidade em lidar com gente, de todas as camadas sociais, mostrou ser um líder nato, do tipo que sabe onde está pisando. Foi lembrado pela população. Surpreso aceitou o desafio. Indo à luta, venceu. Tinha 33 anos de idade.           
                                                                                                                                                       
                                                                                                                                   
                
                                O PREFEITO QUE JAMAIS CONHECEU A DERROTA
___________________________________________________________________________

                 Lá se vão quarenta anos e o homem está aí. Tratando todos por igual. Voz  baixa. Às vezes inaudível. De vez em quando arrasta a sandália, do tipo franciscana, num forrozinho. Principalmente nas vaquejadas. Faz par com todo mundo. Uma sobrinha. A filha de um amigo. Ou com alguma eleitora. Gente afoita também. “Tendo forró e eu indo, danço com todo mundo”, se anima.
                Continua, não apenas o líder maior do município, mas um coronel. Um coronel sem chicote. O último dos coronéis, talvez.
               Dessa estirpe, com certeza, o único em vida. Espécie rara.
               Um dia o Diário de Natal registrou como manchete: “O PREFEITO QUE JAMAIS CONHECEU A DERROTA”. O homem conquistou a mídia.
                É verdade. Chiquinho só conhece vitórias em sua vida. Um prefeito que nunca precisou ir na Capital Federal pedir nada. “Nunca pus os pés em Brasília. Os deputados pegam os projetos e têm a obrigação de trazer os benefícios para os municípios. Para isso é que existe deputados e senadores”, desabafa.
                Ele prefere ficar lá.  Em Rodolfo Fernandes, ocupado com outras tarefas. Não se afasta do povo. Nem mesmo no final de semana, quando  recebe todos em casa, de portas escancaradas. Cada um chega, vai na cozinha e serve o seu cafezinho.
                 Casado há trinta e quatro anos com Simone Queiroz Negreiros Germano, professora aposentada, grande companheira da luta. Também prima.  Trabalha nos bastidores. Formada em Letras, só trata o marido de ‘Seu Chico’. O casal tem dois filhos, o advogado José Negreiros Neto, que atua em Natal e zona salineira; e o empresário Cristiano de Queiroz Negreiros Germano, que atua no ramo de material de construção, em Mossoró.                        
                Quando vai a Rodolfo Fernandes, Simone se hospeda na Fazenda São Gabriel, embora o casal mantenha uma casa no centro. Como primeira dama sente o peso da responsabilidade. “Me interesso bastante pelo progresso da cidade”, comenta sem modéstia e já fazendo questão de dizer que seu modelo de primeira-dama é o de dona Adalgiza, viúva do governador Dix-sept  Rosado.  “Uma pessoa desprovida de qualquer vaidade e egocentrismo”, disse se auto-denominando também.
____________________________________________________________________________

                      “DISSE A VINGT QUE NUNCA MAIS VOTARIA NELE”
____________________________________________________________________________

                   Durante muitos anos Chiquinho seguiu o líder político, Vingt Rosado, já falecido. “Um dia lhe disse que nunca mais votaria nele. Ele pensou que era brincadeira”, recorda. Há anos segue o grupo político do senador José Agripino.   
                  Chiquinho Germano é um homem bastante respeitado e prestigiado pelos políticos. Até mesmo dos adversários. Uma prova desse prestígio são os cartões enviados para a esposa, Simone, Não esquecem nem o seu aniversário. “O primeiro sempre vem da parte de Geraldo Melo, seguido pelo de Henrique Alves”, registra. Só então vem dos aliados do PFL, como Ney Lopes, José Agripino e Anitinha, por exemplo.
                 O ex-deputado Laíre Rosado, do PMDB, lembra que logo que retornou  a Mossoró e começou a trabalhar como médico, precisou fazer um empréstimo no Banco do Brasil, encontrando obstáculos. Comentou numa roda de amigos. Foi surpreendido por um dos presentes. “Na mesma hora Chiquinho se prontificou e o empréstimo foi possível. Eu não o conhecia, mas ele sabia de mim”,  conta Laíre.
                Tivesse permanecido na região Sudeste, Chiquinho Germano teria sido um empresário bem sucedido à exemplo de seus irmãos, empresários do ramo de alumínio, José e Wellington Germano, donos da Bel Metal, radicados no Rio de Janeiro e São Paulo, respectivamente. Em Belo Horizonte tem o comerciante, Aldecir Germano. Em Mossoró o também empresário, Damião Queiroz, já falecido, dono da Queiroz & Filhos. Da prole tem as donas de casa Elita, em Mossoró, e Erci, em Natal. Além dos agropecuaristas, Antonio e João Germano, residentes em Mossoró e Rodolfo Fernandes, respectivamente.     
                 A família se reúne na festa junina de Rodolfo Fernandes. Aliás, é um compromisso que Chiquinho tem com a cidade. Todo ano leva o amigo Redondo, que se apresenta com a irmã, Rita de Cássia e banda.  “Enquanto a gente estiver  vivo tem forró para todo mundo”, garante.                
                 Também durante as festas juninas os munícipes – são pouco mais de quatro mil habitantes - homenageiam o prefeito na Praça do Povo com um bolo gigante, onde cada metro corresponde a um ano de Chiquinho na vida pública. O bolo desse ano terá quarenta e três metros e estará à disposição para degustação da população no corredor junino, organizado pelos familiares e eleitores.   
____________________________________________________________________________

                             “NINGUÉM DEIXA A POLÍTICA. O POVO BOTA FORA” 
____________________________________________________________________________
  
               O mesmo compromisso tem com saúde e educação. Com o bem estar dos idosos, a dentição e a taxa de diabetes da população, colocando médicos e dentistas a serviço dos moradores. Se emociona ao citar o projeto que implantou para a terceira idade, disponibilizando médicos, distribuição de sopas e também lazer. “Tem forró toda quarta-feira num salão para idosos. Uma banda local anima e é servido lanche. Nos outros dias tem caminhada”, detalha.
                 A cidade dispõe de médicos da família e de agentes de saúde. Dois dentistas prestam serviço completo, até mesmo com confecção gratuita de dentadura durante todo o ano. As crianças dispõem de uma pediatra.         
                 Chiquinho Germano é o único que conseguiu se eleger quatro vezes prefeito de uma cidade no Rio Grande do Norte.  
                 Qual a fórmula de sucesso desse coronel? “Isso não tem receita, não!”, enfatiza. Com insistência solta algumas dicas: “Em primeiro lugar, acho importante  o sábado e o domingo. O homem do campo não tem o que fazer e vem na cidade. E 90% dos prefeitos somem nos finais de semana”, explica. Ele conta que na ausência do prefeito, tem que haver alguém com capacidade para resolver os problemas, principalmente na área de saúde. “É a parte mais vulnerável da política. Se você cuida da saúde e da educação, as outras coisas dão certo”, argumenta.
                  Outra receita de sucesso é um livro, onde anota o nome de cada um de seus eleitores, com endereço e até apelidos. “Converso pessoalmente, pelo menos, com dois mil eleitores e coloco uma cruzinha ao lado de quem vota”, conta lembrando que na próxima eleição começa tudo de novo. “Cada caso é um caso. Toda eleição é diferente. Os problemas são diferentes. Por isso dizem que a política é dinâmica”, analisa.
                 Seu Chiquinho sabe, através de pesquisas pessoais, que tem maioria entre os adolescentes e idosos.   
                 Questionado sobre quando vai deixar a política, ironiza: “Ninguém deixa a política, minha filha!  A política é que deixa a pessoa. O povo bota para fora”, brinca ele que não gosta do rótulo de coronel. ”Não tenho entusiasmo como coronel. Não me sinto coronel”, desconversa.  
                  
             

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL