Pular para o conteúdo principal

ROBSON CARVALHO

Nosso tempo: de livros, fatos, gente e lugares.           


Artigos já publicados em órgãos de imprensa.


Robson Carvalho, o Robinho.

        Nosso último perfil desta série de vencedores do Prêmio de Jornalismo Dorian Jorge Freire é o repórter fotográfico, Robson Carvalho de Melo, que venceu na categoria fotografia, exibida no blog do jornalista Pedro Carlos. 
        Robinho nasceu no bairro Bom Jardim, filho da areiabranquense, Maria Célia de Melo Silva, já falecida; e do pedreiro, Euziel Carvalho da Silva, natural de Mossoró. O casal teve quatro filhos.
         Robinho é divorciado e pai de Thiago Ferreira de Carvalho, de dez anos de idade.  Estudou em escolas públicas, como a Escola Estadual Cunha da Mota, Ginásio Centenário, Colégio Evangélico José Leôncio, de Santana, Centro de Educação Integrada Professor Elizeu Viana, Escola Estadual Lavoisier Maia e Escola Estadual Abel Freire Coelho. 
        Começou a trabalhar já na adolescência, vendendo ‘suspiro’, depois numa granja ‘matando’ frango; também trabalhou com um amigo, dono de uma carroça, até ter seu próprio negócio, um carrinho de balas.    
         Robinho contou com a sorte quando uma tia que morava nos Estados Unidos deu-lhe uma moto de presente, que usou para entregar jornais, pois pedira emprego a, então diretora de O MOSSOROENSE, Larissa Rosado.                    
         Em nova viagem da tia a Mossoró, esta lhe trouxe uma máquina fotográfica amadora. Robinho começou a fotografar gratuitamente aniversários dos membros da igreja que congrega. Um dia resolveu cobrar. Investiu, comprou um filme de 36 poses, fez as contas e faturou. Começou a criar gosto pela fotografia, então. A tia o ajudou a comprar uma câmera profissional, Zenit. Robinho a pegou e foi até Canindé Queiroz pedir emprego como fotógrafo na GAZETA DO OESTE.  
         Canindé deu o emprego porque percebeu que Robinho era esforçado e merecia uma oportunidade. Então o encaminhou para os fotógrafos Marquessoel de Castro e Raimundo Nunes, já falecido. Marquessoel o encarregou de ficar revelando as fotos no laboratório do jornal, embora Robinho estivesse ansioso para sair fotografando.
        Com o tempo, Robinho passou a sair com Shaolim, repórter policial. De lá para cá, já venceu alguns prêmios, como o concurso Auto da Liberdade e teve fotos publicadas em veículos de circulação nacional, como revistas e jornais FOLHA DE SÃO PAULO e JORNAL DO BRASIL.       
        Robinho também tem experiência como cinegrafista, com passagens pela sucursal da TV Tropical e pelo Canal 10, da TCM – TV Cabo Mossoró. Também fez parte do quadro de fotógrafos do JORNAL DE FATO. Hoje é dono do seu próprio negócio, presta serviço para jornais, agências de propaganda, de notícias e televisão. É o cinegrafista oficial do time do Potiguar.

Jornal PÁGINA CERTA, junho de 2007.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL