VIVA DINILCE

                                                                       Dinilce


〰️💞💞💞Um poema de Kathleen O'Meara                                      1839-1888

"E as pessoas ficaram em casa
E leram livros e ouviram 
E descansaram e se exercitaram
E fizeram arte e brincaram
E aprenderam novas maneiras de ser
E pararam
E ouviram fundo 
Alguém meditou
Alguém orou
Alguém dançou 
Alguém conheceu sua sombra 
E as pessoas começaram a pensar de forma diferente
E pessoas se curaram
E na ausência de pessoas que viviam de maneiras                                                                 ignorantes
Perigosas, sem sentido e sem coração
Até a Terra começou a se curar
E quando o perigo terminou 
E as pessoas se encontraram 
Lamentaram pelas pessoas mortas 
E fizeram novas escolhas 
E sonharam com novas visões 
E criaram novos modos de vida 
E curaram a Terra completamente"

        O poema acima, foi-me enviado por uma pessoa especial, pelo Whatsapp.
        Uma amiga de infância que transpira poesias. Uma pessoa meiga, parece adolescente, como ainda fôssemos. Aquele tipo de gente que, tenho a impressão, toda noite olha para o céu, para ver a lua.
         Uma pessoa especial com um nome único.
         Escolheu como profissão a enfermagem. Crescemos, graduamos, nunca mais nos vimos, dez, vinte, tantos anos depois nos reencontramos num hospital onde mamãe passou por um procedimento cirúrgico. Trocamos contatos
 e nunca mais nos vimos novamente. Mensagens vêm, mensagens vão, via Whatsapp. As delas sempre com alguma poesia ou notícias da filha que estudava medicina, depois da formatura, uma mãe satisfeita com a cria que segue seus passos no servir.
         Depois desse poema, enviado dia 24 de março, nenhuma outra mensagem. Mas, em tempos de pandemia, deveria estar ocupada com suas funções no maior hospital da cidade. 
         E eis que estou assistindo noticiário  de televisão e deparo com alguém saindo de alta hospitalar, de cadeira de rodas, cercada de colegas, sob aplausos, dão as mãos e fazem uma oração em agradecimento à sua saúde restabelecida.
          Para minha surpresa, quem se levanta da cadeira de rodas? Dinilce. A amiga que me enviou a mensagem que fiz questão de postar acima. E que tem tudo a ver com o momento em que o Universo passa: o coronavírus que nos deixa de quarentena. 
          Vi num site a notícia de sua alta com a seguinte manchete: "Enfermeira curada de coronavírus diz que a paciência é um auxílio gigante nas horas mais dolorosas".
          Segundo o site, Dinilce passou dezessete dias internada, dez na UTI.
          Já trocamos mensagens curtas, hoje. É momento de agradecer por sua vida, pelas vidas que estão sendo salvas e pelos profissionais da linha de frente que diariamente saem de casa para enfrentar um dia de trabalho nesse tempo incerto, mais do que nunca.
          Deus lhe abençoe, amiga linda.
          Ele é Pai. Não é padrasto.


Dinilce e filhos
                                 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

OS LIVROS & EU COM GONZAGA SOUZA

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI