Pular para o conteúdo principal

Concurso para jornalistas

Nosso tempo: de livros, fatos, gente e lugares.


          Muito bom esse tempo que vivemos de promotoria em defesa do povo, para fiscalizar e exigir o cumprimento das leis. Acompanhamos com satisfação a publicação de concursos e mais concursos, na esfera do poder público, dando oportunidade para aquelas pessoas que conquistaram seus diplomas por  próprios méritos, muitas vezes em universidades particulares.
         Tem coisa melhor do que concluir um grau superior e disputar as mesmas vagas em concursos, ou seja, encontrar as mesmas chances no mercado de trabalho em emprego público? Independente de parentesco, amizade, QI – quem indicou... 
          Maravilha mesmo! Porém, há publicação de concursos em todas as categorias profissionais, menos uma: jornalismo.
          O que acontece com o poder público que contrata jornalistas para suas assessorias, apenas baseado num quesito, o chamado cargo de confiança? Como se as outras atividades profissionais também não o fossem. E o que é pior: em alguns casos, assessoria sem graduação, sem experiência nenhuma nas lides jornalísticas. Que desconhece até o vocabulário da profissão. 
           Nós, jornalistas, vivemos exigindo posturas da sociedade, seja de políticos, ou qualquer outra atividade profissional. Ainda mais políticos, por estes viveram à custa de impostos, pagos com dinheiro do povo.
           Mas quando se trata de exigir para a classe, nós, jornalistas, talvez em nome da ética profissional, não legislamos em causa própria.
           Somos incompetentes para divulgar que mereceríamos concurso público? Por que sindicatos de jornalistas não buscam solucionar a falta de vagas no mercado de trabalho, em empregos públicos através de concursos?
           Sinceramente, no país de Mossoró, talvez, não há nenhum jornalista que esteja exercendo funções em assessoria, por aprovação em concurso, no poder público, em qualquer esfera, seja no município, estado, assembléia legislativa, câmara municipal, congresso nacional, justiça, universidade estadual, federal, enfim, quem souber, por gentileza, avise!
           Bem, as dúvidas decorrem do fato de, a própria universidade - públicas e particulares - que forma, não promove o concurso público. E, muito pelo contrário, contrata jornalista sem graduação. Então, para que a formação? Em Mossoró, o mercado de trabalho paga os mesmos valores, independente do diploma. Estamos formando jornalistas para atuarem em outro mercado. Outros estados.
           Quem entra numa faculdade de jornalismo, pelo menos no Rio Grande do Norte, tem a obrigação de saber que terá que começar muito cedo a fazer valer o QI, através de amigos no poder público, para se encaixar no perfil do tal cargo de confiança, do contrário, terá que se virar no concorrido mercado de trabalho de empresas privadas.
           Recentemente a Assembléia Legislativa do estado de São Paulo promoveu concurso público para contratação de jornalistas para ocuparem cargos de assessoria de imprensa para cada gabinete dos deputados estaduais, com salário em torno de nove mil reais. No país de Mossoró, nenhum vereador tem assessoria de imprensa. Nenhum. A Câmara Municipal  em toda sua história, teve apenas um assessor de imprensa, com graduação. Não tem mais.                               
           O que vemos diariamente nos jornais da cidade é a publicação de disse-me-disse de vereadores e, no dia seguinte, adivinhe! O próprio vereador se expõe em ligações telefônicas para os jornalistas e colunistas políticos, num jogo de desmentidos, que confunde o leitor-eleitor: não falei, não fiz, não vou dizer, não vou fazer. Simplesmente porque não tem assessoria. Que por si só, já evitaria esses desentendimentos.
           Quando uma pessoa pública não valoriza seu mandado, vale qualquer assessor. E cada um, tem o assessor que merece. Inclusive ele próprio. Tem quem mereça um açeçor – com Ç; tem quem mereça um asesor – com dois esses; e um gestor público ou legislador que sequer emprega um jornalista, jamais vai merecer o respeito devido dos veículos de comunicação, tanto quanto aquele que tem um assessor.
          Ele, o político ou gestor, vale qualquer coisa, qualquer nota, qualquer foto, qualquer fuxico. É usado como moeda de informação, para a assessoria do adversário. Quando este tem.  
          Daí que a gente continua lendo disse-me-disse, seguido de desmentidos; a gente assiste o que aconteceu na semana passada. Políticos que pegaram um vôo em Brasília e foram vetados num palanque, onde suas assessorias falharam e feio, porque poderiam ter evitado expô-los à execração pública. Foram barrados no palanque. Ao vivo e em cores, pela transmissão de televisão. 
           Naturalmente, que após o episódio, tentam justificar o veto, creditando  a culpabilidade a alguma assessoria: A ou B.
           Também colocada lá, pelo tal quesito cargo de confiança. 

Jornal PÁGINA CERTA, junho de 2008.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL