Pular para o conteúdo principal

PEDRO CARLOS

Nosso tempo: de livros, fatos, gente e lugares.     

Artigos já publicados em diversos órgãos de imprensa.



              Dando continuidade aos perfis dos vencedores do Prêmio de Jornalismo       Dorian Jorge Freire, promovido pelo poder público municipal, o enfocado de hoje é o vencedor na categoria blog, Pedro Carlos Lopes Pinheiro.
          Pedro Carlos nasceu no bairro Bom Jardim, primogênito do casal Dimas Pinheiro da Silva e Ângela Maria Lopes Pinheiro. Ele natural de São Luís,  formado em Economia e dono de gráfica; ela apodiense, formada em Pedagogia e professora da rede estadual de ensino. O casal tem mais dois filhos: Fernanda, do departamento comercial da TV MOSSORÓ e Diego, diagramador e colunista da GAZETA DO OESTE.   
        Quando Pedro Carlos tinha quatro anos de idade, a família mudou-se para o Conjunto Abolição III, onde ele permaneceu até comprar sua casa, no Conjunto Santa Delmira.
        Pedro Carlos queria ser médico. Fez o primeiro grau na Escola Estadual Lavoisier Maia. Ali leu quase todos os livros da biblioteca. Porém, quando fazia o segundo grau na Escola Estadual Professor Abel Freire Coelho, um dia foi chamado à sala da diretoria. O jornalista Sérgio Oliveira estava à procura de estagiários para digitador de O MOSSOROENSE e a direção o havia indicado por seu desempenho escolar. Acabara de concluir o curso de datilografia e jamais ligara um computador. Era julho de 1992 e tinha apenas quinze anos.      
          Os pais não viram com bons olhos aquele emprego, porque o filho trabalhava o dia quase todo e recebia apenas meio salário mínimo, sempre atrasado. Mas a ficha só caiu quando Pedro Carlos foi promovido para repórter policial, por Cid Augusto, no ano seguinte. 
         Pedro Carlos chegou à editoria do concorrente, GAZETA DO OESTE, com dezenove anos de idade. Dois anos depois retornaria ao O MOSSOROENSE, como editor, deixando novamente o centenário para outro retorno à GAZETA DO OESTE e, de volta ao O MOSSOROENSE em 2003, deixou o cargo para ser o diretor de jornalismo da TV MOSSORÓ, até dezembro do ano passado.
         Pedro Carlos, que sempre estudou em escola pública, foi aprovado em dois vestibulares: Letras e Comunicação Social, ambos na UERN – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Ele já havia vencido por três vezes, o Prêmio de Jornalismo UERN.
           Em 2004, Pedro Carlos lançou a revista CORAGEM e pretende investir num projeto ousado que é implantar a primeira redação para Internet, produzindo textos e matérias com áudio e vídeo. Desde novembro de 2006, Pedro Carlos está envolvido com seu blog, que abocanhou também o prêmio de Melhor Fotografia, de autoria de Robson Carvalho.
           Pedro Carlos confessa que já foi processado 48 vezes, por políticos, delegados, fiscais e até por colegas de profissão. Nunca aceitou entrar em acordo, jamais foi condenado e todas as sentenças lhes foram favoráveis.        
           Pedro Carlos é pai solteiro de Lívia, de dez anos; e de Pedro Júnior, de seis anos e pretende se casar este ano com uma colega.      


Jornal PÁGINA CERTA, 2007

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL