Pular para o conteúdo principal

IRMÃ ELLEN

 IRMÃ ELLEN: DA ALEMANHA PARA O PAÍS DE MOSSORÓ   




   Recentemente o bilionário americano – banqueiro e filantropo – David Rockefeller, único neto vivo de John Rockefeller, o homem mais rico do mundo no início do Século XX - em entrevista a VEJA disse o segredo para manter o vigor aos 91 anos de idade: “Simplesmente ainda acho a vida fascinante e espero por cada novo dia. Vou ao escritório diariamente e viajo bastante. Continuo curioso sobre o mundo e tudo o que há nele. Espero que as pessoas se lembrem de mim como alguém que se preocupou com o mundo em que viveu e fez o que pôde para torná-lo um lugar melhor”.



    Bem, o autor da frase acima é dono de uma fortuna pessoal estimada em 2,6 bilhões de dólares e figura entre as trezentas pessoas mais ricas da atualidade. Já veio dezenas de vezes ao Brasil, foi proprietário de fazenda no Mato Grosso e sua filha Peggy trabalhou como voluntária em favelas cariocas.             
    Mas o que chama a atenção em sua entrevista é seu comentário sobre filantropia, já que sua família é conhecida mundialmente nessa área. “Penso que é possível ganhar dinheiro e também se preocupar com a qualidade de vida da sociedade”, disse.
    Algumas pessoas pensam assim. Por exemplo, há alguém oriunda da classe média alta da Alemanha - tão distante do país de Mossoró - que aqui aportou em 1978 e fundou uma das obras sociais mais bonitas do Nordeste brasileiro: a irmã Ellen que, juntamente com sua irmã biológica, a médica Cristina, não faz outra coisa a não ser se doarem aos mais necessitados.
    O Lar da Criança Pobre de Mossoró é uma entidade mantida por amigos alemães e brasileiros e que atende adultos e crianças em mais de dez projetos sociais, num trabalho anônimo, executado por voluntários sob a direção da Irmã Ellen, filha de um engenheiro e empresário, o primeiro parceiro dessa grande obra.
    Há de se perguntar: que espécie de gente é essa que deixa tudo para trás, sua história, família e amigos, partindo para um local desconhecido, somente em busca de colaborar para um mundo melhor? São pessoas especiais, de alguma forma, guiadas por Deus para fazer o bem a quem está necessitando de algo e são pouquíssimas que fazem isso hoje.
    É gente que segue a máxima do Evangelho: “Ama a teu próximo como a ti mesmo, fazendo a ele o quereis que vos façam”.
    Este é um dos caminhos que leva o homem a alcançar saúde e paz, contribuindo para um mundo melhor.


Jornal PÁGINA CERTA, dezembro de 2006
           










Comentários

  1. parabens irma ellen pelo o que vc faz .deus abençoe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ONDE ANDA OLGA BONGIOVANNI

A televisão brasileira nos últimos tempos tem revelado talentos na linha do humor. Há muito não aparece alguém que se destaque por sua atuação na linha de programas de auditório, a não ser Eliana, nas tardes de domingo, no SBT, com bons índices de audiência.        Em 1999, a cidade de São Paulo serviu de cenário em uma forte campanha de marketing para divulgar nova atração na TV Bandeirantes. Centenas de outdoors espalhados pela cidade anunciavam a apresentadora do programa matutino Dia a Dia, Olga Bongiovanni, um nome desconhecido do grande público, até então.        Quem seria aquela mulher, já aparentando algo em torno dos quarenta anos de idade, causando curiosidade tão comum em jornalistas que cobrem a mídia? No dia prometido para a estréia, quis saber de quem se tratava pois, certamente, de alguém que valeria a pena todo aquele investimento.        Eis que surge uma pessoa simpática, bonita e magra, ingredientes para o caminho do sucesso numa carreira em televisão. Porém, Olga B…

CENTENÁRIO DE DIX-HUIT ROSADO

DIX-HUIT ROSADO
        No dia 21 de maio de 1912, há cem anos, nascia em Mossoró, Rio Grande do Norte, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, filho do paraibano de Pombal, Jerônimo Ribeiro Rosado, casado em segundas núpcias com a conterrânea, Isaura Rosado Maia, irmã da primeira esposa, Maria Amélia Henriques Maia, de quem enviuvara.  Jerônimo era filho de um português de Coimbra, Jerônimo Ribeiro Rosado, que residia há muito tempo em Pombal. Formado em Farmácia, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, o Jerônimo Rosado, ou seu Rosado, como era tratado em Mossoró, migrou para esta cidade, em 1890, à convite de um médico, com quem se associara para abrir a Farmácia Rosado. Seu Rosado registrou seus filhos e filhas com nomes esquisitos, o que já rendeu a participação de alguns de seus descendentes no Domingão do Faustão. Seu biógrafo, Luís da Câmara Cascudo conta no livro lançado em 1967, Jerônimo Rosado – Uma Ação Brasileira na Província que, seguindo a …

O SUCESSO DA REFIMOSAL